Connect with us

destaque

Iniciativa Amazônia+10 lança a Chamada Expedições Científicas

Published

on

Atenção pesquisadores acreanos: Na última quinta-feira (16/11), a Iniciativa Amazônia+10 e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) lançaram oficialmente a Chamada Expedições Científicas. A iniciativa tem como objetivo disponibilizar R$ 59,2 milhões para financiar pesquisas voltadas à expansão do conhecimento científico da sociobiodiversidade em áreas pouco conhecidas da Amazônia.

A Chamada visa promover a colaboração entre grupos de pesquisa locais e de outros Estados, liderada pelo CNPq em parceria com o Confap e Consecti. O prazo para submissão de propostas é até 29 de abril de 2024, conforme detalhado no texto oficial da chamada.

Advertisement

Pesquisadores acreanos são instados a participar ativamente, uma vez que a preservação da Floresta Amazônica e o desenvolvimento sustentável da região dependem do conhecimento científico local. O edital estabelece critérios específicos, como a necessidade de envolvimento de pesquisadores de pelo menos dois dos 19 estados participantes, com vínculo obrigatório a instituições na Amazônia Legal.

Participar dessa chamada representa uma oportunidade para os pesquisadores acreanos contribuírem para a expansão do conhecimento científico sobre a Amazônia. Além disso, a possibilidade de financiamento para projetos pode trazer benefícios científicos e tecnológicos para a região. Oportunidades como essa são fundamentais para fortalecer a pesquisa e a compreensão da biodiversidade amazônica, promovendo, assim, o desenvolvimento sustentável da região.

O presidente do CNPq, Ricardo Galvão, destacou a importância do Programa Iniciativa Amazônia+10 em viabilizar recursos para projetos científicos na região. “O Programa Iniciativa Amazônia+10 visa viabilizar recursos para projetos científicos na região, articulando grupos de pesquisa que combinam pesquisadores locais com de outros Estados. O CNPq orgulha-se em participar desta iniciativa que certamente trará grandes benefícios científicos e tecnológicos para a região”. 

Advertisement

Neste edital, 19 Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa aderiram à chamada, abrangendo os nove Estados da Amazônia Legal, além de outros Estados brasileiros. Agências nacionais e internacionais ainda podem se unir à Chamada de Expedições Científicas até 31 de dezembro de 2023.

O edital

Os projetos submetidos à avaliação devem contar com pesquisadores responsáveis de pelo menos dois dos 19 estados cujas FAPs aderiram a essa chamada, sendo que um deles deve obrigatoriamente estar vinculado a instituições com sede nos Estados da Amazônia Legal. O edital também prevê ainda a inclusão na equipe de pesquisa de pelo menos um integrante PIQCT (Povos indígenas, Quilombolas e Comunidades Tradicionais), detentor do conhecimento tradicional relacionado ao território que será estudado.

Advertisement

As propostas devem ser voltadas para expedições científicas multidisciplinares na região da Amazônia por um período de até 36 meses e o valor mínimo de cada projeto contemplado será de R$ 400 mil – não havendo limite máximo (Saiba mais detalhes no texto completo da chamada). Em breve será disponibilizado um roteiro que explica o passo a passo para submissão da proposta na Plataforma Carlos Chagas, do CNPq.

Dos R$ 59.250.000 previstos nesta chamada, R$ 30 milhões serão alocados pelo CNPq exclusivamente para pesquisadores com vínculo formal com alguma instituição localizada em um dos Estados da Amazônia Legal.

O edital também irá apoiar expedições voltadas a ampliar o conhecimento da diversidade sociocultural dos povos tradicionais da Amazônia. Serão financiadas pesquisas, por exemplo, sobre o patrimônio material e imaterial de povos ancestrais, indígenas e tradicionais, documentação de línguas indígenas e sistemas de conhecimento associados, além da relação entre dinâmicas territoriais de povos tradicionais com o uso sustentável dos recursos naturais da floresta.

Advertisement

A Iniciativa tem o objetivo de, nos próximos anos, investir mais de R$ 500 milhões em pesquisa na Amazônia.

Saiba mais em: www.amazoniamaisdez.org.br

Advertisement