Connect with us

destaque

Ex-candidata a deputada federal do Acre está entre os presos pelos atentados em Brasília 

Published

on

Entre os 276 presos pelos atos golpistas do último domingo e que tiveram os nomes divulgados pelo governo do Distrito Federal, estão doadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), candidatos a cargos eletivos não eleitos e cabos eleitorais de campanhas do último pleito. O GLOBO mapeou também diversas pessoas que aparecem como beneficiárias de programas sociais do governo federal, como o Bolsa Família e o Auxílio Emergencial. A lista completa de nomes tem 157 homens, levados para o Centro de Detenção Provisória II (CPD II), e 119 mulheres levadas para a Penitenciária Feminina do Distrito Federal (PFDF).

Entre os radicais presos pela polícia está Michela Lacerda, ex-candidata a deputada federal em 2018 no Acre pelo PSL, partido de Bolsonaro naquela eleição. Em um vídeo postado em suas redes sociais nas vésperas do pleito naquele ano, Bolsonaro pediu votos à Michela: “Uma das suas grandes marcas no estado é seu forte trabalho social. Então, com esta base e com outros interesses que o Acre também precisa é que eu apelo, peço o seu voto”, disse o então candidato à Presidência.

Advertisement

A suplente da Câmara Municipal de Ipatinga, no interior de Minas Gerais, Ana Paula Neubaner Rodrigues, também integra a lista de presos. Ao longo das eleições do ano passado, ela fez inúmeras postagens nas redes sociais de endosso à candidatura do deputado mais votado do país, Nikolas Ferreira. Ana Paula se descreve como influenciadora bolsonarista e é filiada ao Patriota. Desde a vitória do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas urnas, ela compareceu a uma série de bloqueios e atos antidemocráticos que ocorreram ao redor do país.

Já Rosana Maciel Gomes, de forma mais direta, foi cabo eleitoral de Gabriel Picanço (Republicanos), deputado estadual eleito em Roraima. Ela recebeu R$ 500 para participar de campanhas de rua, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Entre os apoiadores diretos do ex-presidente ainda há duas pessoas que doaram para a campanha de Bolsonaro à reeleição no ano passado. Marisa de Fátima Renner, que doou R$ 20, e Marileide Marcelino da Silva, que contribuiu com R$ 10, foram presas em flagrante pelas forças de segurança no último domingo. Já a diretora escolar Iraci Meugmi Nagoshi, de São Caetano do Sul (SP), doou a quantia de R$ 2 para o ex-presidente, durante o período de campanha nas eleições do ano passado — a doação de pequenas quantias foi frequente entre bolsonaristas, como forma de apoio ao então candidato.

Advertisement

Simone Aparecida Tosato Dias, por sua vez, doou R$ 20 em um financiamento coletivo para a campanha de José Eduardo Botelho, candidato a deputado estadual de Mato Grosso (MT) pelo União Brasil. Ele foi eleito com 52 mil votos e, em suas redes sociais, condenou os ataques em Brasília.

Na teia política de presos por terrorismo aparecem também cabos eleitorais de outros candidatos nas últimas eleições.

Sirlene de Souza Zanotti foi contratada por R$1,2 mil na campanha do candidato a deputado federal de São Paulo Guilherme Piai Silva Filizola (Republicanos). Ele foi eleito suplente ao cargo com 63 mil votos. Outra pessoa que prestou serviços a um candidato foi Rosaneide Rodrigues Souza. Para trabalhar com serviços de militância na campanha de Wesley Vieira Sathler (União Brasil), que tentava uma vaga na Câmara, ela recebeu R$ 3 mil. O candidato, no entanto, não foi eleito.

Advertisement

Elisangela Cristina Alves de Oliveira, também presa pelos atos golpistas, recebeu R$ 1 mil para atividades de militância e mobilização de rua, na campanha da candidata a deputada federal Josielle Vicuna da Silva Sampaio, a Josi Sampaio, do PSD de Mato Grosso. A candidata também não se elegeu.

Fonte: O Globo.

Advertisement